domingo, 7 de abril de 2013

Diário de um intolerante

    Tenho intolerância ao glúten. Diferentemente da intolerância a lactose que pode ser dividida em graus, a intolerância ao glúten exige uma dieta totalmente isenta de glúten para todos que possuem esta doença (esta intolerância também conhecida como Doença Celíaca).
    Os sintomas da doença variam muito, podem ser dores de cabeça, manchas na pele entre outros. Mas o sintoma mais comum é o gastrointestinal, normalmente diarréia e dor. O principal problema desta intolerância é que é uma doença em que o organismo acaba "atacando"o próprio organismo e uma simples ingestão de alimento contaminado com glúten pode danificar muito o intestino e causar sérios problemas. Pessoas intolerantes que não seguem a dieta tem muito mais chances de desenvolver câncer de intestino, desnutrição severa, osteoporose, anemia e existem muitas outras doenças associadas. 
    Por isso é fundamental a dieta, certo? Certo. E é fácil? Não é, mas uma vez que a pessoa se acostuma não é difícil. Basicamente a pessoa não pode ingerir trigo, aveia, centeio, cevada e malte. Temos hoje muitos produtos para substituir os produtos com glúten, por exemplo pães, macarrão, lasanha, biscoitos, bolos, etc. Porém, apesar de não ser uma dieta difícil de seguir em casa, é muito difícil comer em restaurantes. 
   Já passei por diversas situações constrangedoras em restaurantes.Ontem, por exemplo, fui em um restaurante para comer Batata Suíça. Segundo a lista de ingredientes não era para ter glúten nos pratos. Perguntei ao garçom se tinha glúten, então ele me olhou e falou: "Eu ACHO que não". Pedi para que ele perguntasse ao Chef, então ele voltou e falou que todos os pratos da casa tinham glúten. Fiquei um pouco constrangida pois fui naquele restaurante por que me disseram que poderia comer tranquila pois os pratos não tinham glúten. A amiga que estava comigo também ficou constrangida pois ela ia comer e eu ia ficar olhando? Resolvi pedir uma salada sem as torradas. Enquanto nossos pedidos não chegavam passou um outro garçom por nós e resolvi perguntar para ele. Ele me perguntou o que era glúten, depois que eu expliquei ele falou que em nenhum prato casa era usado qualquer ingrediente com glúten e que eu podia pedir tranquila por que ele ACHAVA que nenhum tinha glúten. Quando eu falei que eu precisava ter certeza ele ficou ofendido achando que eu não estava acreditando nele e falou grosseiramente que eu poderia ir na cozinha se quisesse ver como as batatas eram feitas. Ainda bem que ontem eu estava de muito bom humor e ele não alterou isso. Após alguns instantes um terceiro garçom veio trazer nossos pedidos e eu resolvi perguntar para ele também, ele foi o único que sabia o que era glúten e explicou quais pratos eu poderia pedir pois o requeijão que eles usam tem glúten. 
    Toda essa situação foi muito chata e eu sempre evito sair para comer fora por causa disso. Acho um desrespeito enorme com os clientes os donos de restaurante não terem qualquer preocupação com intolerâncias alimentares. Muitas pessoas hoje são intolerantes a diversos alimentos e pessoas que trabalham com alimentos tem o dever de saber sobre o assunto para orientar seus clientes. Neste restaurante por exemplo eu não volto mais e nem indico a pessoas também intolerantes. Espero que um dia toda essa situação mude e as pessoas intolerantes a alimentos possam ter mais opções em restaurantes.

Intolerância ao glúten:

Intolerância à lactose:

Diferença entre alergia à proteína do leite de vaca e intolerância à lactose:

domingo, 17 de março de 2013

Leia rótulos!

Olá!

Quando você vai ao mercado comprar qualquer produto alimentício você tem o costume de ler rótulos? E não estou me referindo somente às calorias, mas sim a toda tabela nutricional e os ingredientes? A tabela nutricional é muito importante por podemos ver dados nutricionais importantes como calorias, proteínas, gorduras, sódio, vitaminas e minerais. Mas também é muito importante que você leia a lista de ingredientes. Ela é sempre decrescente, ou seja, começa com o ingrediente que mais está presente no alimento até o último, onde temos o ingrediente com a menor porcentagem no alimento. Por isso COMPARE rótulos antes de comprar. Hoje mesmo fui no mercado e queria comprar uma geléia. O primeiro ingrediente de uma delas era açúcar e depois de vários outros aparecia a fruta. Enquanto que na outra era a fruta que estava em primeiro lugar, estando presente em 50% do produto neste caso específico, o que é mais recomendado. Fique de olho!


PS.: Mesmo geléias em que os primeiros ingredientes são frutas elas contém bastante açúcar. Portanto deve ser evitado o consumo exagerado.  Consumir geléias esporadicamente não faz mal algum. As opções orgânicas são as melhores, mas um pouco mais difíceis de serem encontradas. Diabéticos devem sempre optar pelas opções diet.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Leite...tomar ou não tomar?

     Li esta reportagem na timeline do face hoje e acho que vale a pena compartilhar. Até que se prove o contrário não acho que o leite é um vilão na nossa alimentação. Se você não tem nenhum sintoma de má digestão não tem motivos para se preocupar com o consumo de leite. Ele é uma excelente fonte de cálcio e ajuda prevenir osteoporose.



     Porém acredito que muitas pessoas, mesmo as que não são diagnosticadas com intolerância a lactose ou alergia a proteína do leite, não toleram bem esse alimento e tem diversos sintomas. Algumas pessoas realmente relatam melhora no quadro de refluxo gastroesofágico e dores estomacais com diminuição ou retirada do leite da alimentação. Mas quem tem refluxo ainda precisa ter outros cuidados, como por exemplo, alimentação fracionada(a cada 3h), diminuição da quantidade de alimentos em cada refeição, não ingerir líquidos durante as refeições e deitar somente após duas horas de alimentar-se. Se você sofre com refluxo vale a pena fazer o teste retirando o leite e seus derivados da sua rotina por alguns dias.

Como o leite e seus derivados são fontes riquíssimas de cálcio, caso você opte por fazer este teste não se esqueça de consumir outros alimentos ricos em cálcio:

  • Manjuba
  • Amêndoa
  • Gergelim
  • Sardinha
  • Brócolis
  • Aveia
  • Corvina
  • Couve manteiga
  • Avelã
  • Castanha-do-Pará
  • Agrião
Para melhor fixação do cálcio no organismo também é importante que você tenha boas quantidades de vitamina D, que você pode conseguir na exposição ao sol ou consumindo alguns alimentos fontes, como óleo de fígado de bacalhau, ovos e margarina.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Diabetes Tipo 2

Definição de Diabetes Tipo 2 (DM2) segundo a Sociedade Brasileira de diabetes (SBD): É também chamado de diabetes não insulinodependente ou diabetes do adulto e corresponde a 90% dos casos de diabetes. Ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos de idade embora na atualidade se vê com maior frequencia em jovens , em virtude de maus hábitos alimentares, sedentarismo e stress da vida urbana. Neste tipo de diabetes encontra-se a presença de insulina porém sua ação é dificultada pela obesidade, o que é conhecido como resistência insulínica, uma das causas de hiperglicemia. Por ser pouco sintomática o diabetes na maioria das vezes permanece por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento o que favorece a ocorrência de suas complicações no coração e no cérebro.


Aqui você fica informado sobre quais são os critérios diagnósticos da Associação Americana de Diabetes e endossados pela SBD.
Normal: glicemia de jejum entre 70 mg/dl e 99mg/dl e inferior a 140mg/dl 2 horas após sobrecarga de glicose.

Intolerância à glicose: glicemia de jejum entre 100 a 125mg/dl.

Diabetes: 2 amostras colhidas em dias diferentes com resultado igual ou acima de 126mg/dl. ou quando a glicemia aleatória (feita a qualquer hora)  estiver igual ou acima de 200mg/dl na presença de sintomas. 
Teste de tolerância à glicose aos 120 minutos igual ou acima de 200mg/dl.

Portadores de diabetes devem tomar bastante cuidado com a alimentação para evitar as consequências da doença descontrolada. Caso as pessoas não respeitem as orientações dietéticas, problemas sérios como por exemplo, cegueira, gangrena, hipertensão arterial e nefropatias podem ocorrer.

· Adoçantes: deve-se aprender a saborear o sabor do alimento e não o sabor adocicado em todo e qualquer alimento, por isso, nada de adoçante em excesso. Sugiro sempre ler o rótulo dos adoçantes e preferir os adoçantes que contenham os seguintes componentes: sacarina, aspartame, acessulfatame-K e sucralose. Podendo variar sempre entre eles. O adoçante tem que ser colocado no alimento em gotas, de acordo com a recomendação, e não em jatos. Ao escolher o adoçante também é muito importante escolher o que tem menor teor de sódio para evitar elevação da pressão arterial.

· Fibra: o consumo de fibras é muito importante para evitar picos de níveis de glicose e tem efeito benéfico com relação ao nível de gordura sanguíneo, além de auxiliar o bom funcionamento do intestino (juntamente com o consumo diário de água). Fontes de fibras: grãos integrais (aveia, centeio, cevada), frutas (sempre que possível com casca e laranja com bagaço), legumes (de preferência crus como, por exemplo, cenoura ralada), folhosos como diversos tipos de alface, agrião, rúcula, etc. à vontade. 
· Sódio: sempre ler rótulos de produtos e preferir os que têm menor quantidade de sódio. Evitar caldos de carne, molhos prontos e refrigerantes, pois normalmente contém um alto teor de sódio. Sempre preferir temperos naturais para preparar alimentos (cebola, alho, salsa, ervas em geral) e diminuir a quantidade de sal acrescentada aos alimentos. Segue link com exemplo de mix de ervas que substitui o sal: http://cybercook.terra.com.br/mix-de-ervas---substituto-do-sal-na-comunidade.html?codigo=102025
· Álcool: quantidades nunca superiores a 2 doses/dia para homens e 1 dose para mulheres. Uma dose é equivalente a 336ml de cerveja, 140ml de vinho ou 42ml de bebida destilada. Como o consumo de álcool pode causar hipoglicemia em pacientes que fazem tratamento com insulina ou medicamentos orais,  recomendo que diabéticos quando tomar bebida alcoólica (não mais do que a dose recomendada), o fazer juntamente com o consumo de alimentos. Mas é importante saber que não é recomendado o consumo de bebidas alcoólicas pelos diabéticos portadores de pancreatite ou com níveis alterados de colesterol ou triglicerídeos e por diabéticos com doenças renais.
· Sempre monitorar a glicemia. Em casos de hipoglicemia (<70mg/dL) ingerir 15 gramas de carboidrato, esperar 15 minutos e testar novamente.
· Dislipidemias: tentar controlar os níveis de colesterol e triglicerídeos tendo sempre uma alimentação saudável, com frutas (tentar consumir frutas com farelo de aveia para evitar picos altos de glicose) e verduras (preferencialmente cruas). É importante saber que as frutas também podem contribuir para aumentar a glicemia, especialmente sucos (mesmo os naturais). Por isso não devem ser consumidas em exagero. Procure um profissional para saber quanto e quando você deve consumir para não elevar muito a glicemia, cada pessoa é um caso, por isso não posso falar a quantidade exata aqui.
· Fazer atividade física regularmente ajuda muito a controlar de maneira mais eficaz os níveis de glicemia e colabora também para diminuir dos níveis de gordura no sangue.

Para quem quiser se aprofundar no assunto este vídeo mostra como a insulina age sobre a glicose e porque ela é usada no tratamento de diabetes. 


Fontes para post:
http://www.diabetes.org.br/index.php
CUPPARI, L. Nutrição clínica no adulto. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. UNIFESP/Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole: 2002.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Orientações nutricionais para gestantes.



Para evitar enjoos e vômitos
  • Refeições pequenas e mais frequentes (até 8 vezes ao dia);
  • Alimentos com baixo teor de gordura;
  • Consumo de gengibre ou alimentos que contenham gengibre;
  • Biscoitos salgados tipo cream crackers consumidos antes de levantar pela manhã.

Pirose (azia)
  • Pequenas refeições;
  •  Mastigar bem os alimentos;
  • Evitar estresse; 
  • Não tomar líquidos durante almoço e jantar.

Constipação (intestino preso)
  • Beber água (no MÍNIMO 4 copos por dia);
  • Folhas cruas;
  • Pães com fibras;
  • Frutas sempre que possível com casca e laranja com bagaço;
  • Caminhadas regulares (no mínimo 3 vezes por semana);
  • Uso de laxantes NÃO É RECOMENDADO, se necessário deve ser feito com supervisão médica.

Cafeína
  • O consumo de café por gestantes ainda não é bem esclarecido, precisam ser realizados mais estudos, mas recomendo que as gestantes não tomem mais do que 2 xícaras de café por dia e evitem outros alimentos que também contém cafeína, como chás, refrigerantes à base de cola e chocolates.

Adoçantes
  • É importante ter em mente que por não conterem calorias não quer dizer que são saudáveis. Portanto não deve ser usado com exagero. Indico somente para gestantes diabéticas.
  • Ler os rótulos e não consumir adoçantes que contenham sacarina. Preferir outros componentes ao escolher o adoçante, como por exemplo, sucralose (também conhecido como açúcar invertido), acessulfamo-K, e esteviosídeo.

Chás
  • Como os estudos sobre o consumo de chá também não são claros, recomendo que as gestantes evitem os seguintes chás, principalmente no primeiro trimestre de gestação:  erva-doce, espinheira-santa, erva-cidreira, camomila e boldo.
Fonte para post: Livro Nutrição da Gestação ao Envelhecimento (Márcia Regina Vitolo).